sábado, 28 de novembro de 2009

Always, ao ex ?


EX.
Aquele que não mais te pertence. Que se foi! Passado! Aliás, passado que às vezes se faz muito presente em certos dias.

EX-marido, EX-namorado, EX-trelelê... Existe EX pra tudo que se imagina! Mas, pior que ter um EX, é ter mais de um. Porque querendo ou não, sabemos que não existe Ex-coração! E, o que fazer com os sentimentos que dávamos a eles ? Jogamos fora? Antes fosse tão fácil! Porém, nunca será assim.

Não é altamente grave se render às lembranças! Dar só mais alguns beijinhos de despedida... Algumas pessoas condenam isso. EX é EX e ponto. No mínimo nunca tiveram um. Porque não sabem que pra deixá-los, mortos no baú do passado, é preciso algum tempo. E cada um possui o seu! E, enquanto eles não estão inteiramente presos ali, qual seria o pecado de voltar atrás?
.
Já ouvi por aí: "Só se cura um amor, com outro amor."
.
Não deixa de ser verdade. Por isso que a fila de EXS, é visivelmente crescente na vida de qualquer cidadão.
.
E, sim... Falar tudo isso, até nos dar um incentivo a continuar com os flash backs depois de uma grande briga. Quando estamos vivenciando algo parecido. Pois, quem já está em outra, e imagina o atual com aquela velha esperança de volta, dói! Porque, o ditado que lhes mostrei mais acima, faz mais sentido ainda. E, pensar que você está sendo o encosto, um plano de esquecimento, é altamente cruel! Ainda, que ele pra você seja o mesmo.
...
Então, enquanto alguns já estão na tentativa de mudança de pretendentes, eu ainda sou à favor da tentativa de um recomeço. Pois, histórias já escritas, dificilmente serão apagadas. E, permitir que outros venham para rabiscar aquilo, talvez torne a vontade de lembrar ainda maior. E, isso me parece um tanto injusto. Devido ao fato, que pra quem tá riscando uma EX-história, talvez esteja escrevendo a dela, com lápis e caneta que por inocência, alguém lhe entregou em mãos.

domingo, 11 de outubro de 2009

Por uma vida...


Eu não faço idéia de como é morrer. Nem próxima do 'quase morte' estive, por felicidade minha. Mas, pensando nisso ultimamente, soube que por você, eu daria minha vida, literalmente. Em ato impensado ou mil vezes analisado.

Hoje eu não sei mais como seria sem você. E um dos grandes motivos que tenho para viver, tem se resumido em sua existência. Na valorização desse amor, que a cada dia que respiro, se expande por essas minhas veias que mal chegam em meu coração, mas que na verdade, clamam pelo o seu.

Pode parecer absurdo para outros quaisquer, afinal, o amor próprio que deveria ser o nosso maior amor. Discordo! Quem nunca ouviu: "Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei." E, o mesmo que pronunciou estas palavras, morreu por todos nós.

Relendo o que já escrevi, me pareceu uma carta de suicídio. Mas posso garantir que não é!

Só quero tentar passar entre essas palavras, que quando se ama muito alguém, ama mesmo, seja os pais, o marido, filhos, ou até mesmo um gentil desconhecido, assim como eu te amo, não há vida que faça sentido sem esse amor. Ainda que a dor se cure, que os anos te tragam novas alegrias, ainda não haverá o completo esquecimento que rompa com antigas fantasias.

Mesmo sabendo que minha vida perde seu valor quando se trata da sua vida, sei que vale a pena qualquer sacrifício. Porque se existe mesmo vida pós-morte, então, em plena consciência de meus atos, estaria feliz de deixar alguém tão amado sorrir por mais e longos dias. Sorrir por mim, e de certa forma, para mim.

Então, se um dia precisar, se for eu ou você, saiba que minha escolha já foi feita. Eu vivo por amor, sou feliz porque sou amor, e sem ele, de fato, eu NADA seria.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Ô ETERNIDADE, tá me ouvindo?!?!


É Eternidade, tem gente se cansando de chamar por ti. De querer te ter perto, andando junto à Felicidade e ao Amor. Ainda não sei o porque de se esconder nessas últimas décadas, aparecendo uma vez ou outra na casa de casais que já nem sabem mais o motivo de serem casais.

Quero muito saber o que te afasta, sendo vista agora só como a Eternidade de alguém que parte para o além. E ao meu ver, ou em quase todos os olhos, não é dessa forma que queremos sua presença.

Eu entendo que o mundo tá todo virado de cabeça para baixo, com as pessoas cada vez mais merecedoras da solidão como castigo. Mas, ainda erradas e "viradas", essas mesmas pessoas rezam para te encontrar ao fim de seus contos de fadas. Rezam para ter um álbum como o de seus avós, que se amaram até o fim. E tá muito difícil, já que a senhora não tem se esforçado para manter a esperança dessas pessoas, que te procuram em cada olhar que cruzam.

Do que vale o grande ditado: "Que seja eterno, enquanto dure...", se nunca passam dos três, quatro dias, com mil diferentes candidatos à almas gêmeas? Não acho que você queira que seu nome vire motivo de graçinhas, ou vire lenda para quem estar por vir. Por isso, volta!!! Nos faça voltar a acreditar que você e o Amor ainda existem, e podem muito bem andar juntos sem o miserável do Interesse.

Esteja conosco, nos dê conforto! Se isso ainda for possível, acredite, o mundo não estará mais tão perdido e insensível.

sábado, 5 de setembro de 2009

domingo, 16 de agosto de 2009

De presente.



Ah, os presentes! A forma mais singela, e às vezes fútil de demonstrar afeição! Quem nesse planetinha nunca se rendeu a alguma espécie de amigo oculto - ou desconhecido oculto - por mais simples que fosse? A verdade seja dita: As maiores e melhores datas, são aquelas que somos presenteados. Menti? Aniversários, casamento, natal, dia dos n-a-m-o-r-a-d-o-s, das crianças, dias, dias e infinitos dias surpreendentes por causa dos presentes. Um abraço, e um beijo, sempre rola! Mas sem os presentes, o dia até parece perder sua data. Seja comprado, seja feito por suas mãos, mas sempre, presentes!


Esses dias, eu faria mais um ano de namoro. E claro, anos atrás, estaria planejando o maior presente que ele merecesse! Quero deixar claro, que não me refiro à preços ou marcas! E, sim, ao ato de deixar alguém realmente amado por mim, feliz!
Antes, esse dia que era sempre presente em meu calendário, agora não passa, de uma simples 'lembrançinha' esquecida no armário.
.
E por isso, estou aqui relembrando um dia que geralmente era alegre pra mim. Sem nenhuma pretensão, ou por depressão. É que desde que me entendo por gente, nunca fui muito fã só das palavras! São muito fáceis de sair de nossas bocas! E nem sempre, expressam alguma verdade.
.
Isso começou, quando eu descobri que o papai Noel não existia! Que revolta pra minha vida. Os presentes dados pelo Sr. Noel, sempre me pareceram mais interessantes do que aqueles vindos pelo gordo do meu tio, com uma barba que mais parecia uma piruca da Xuxa pregada naquelas bochechas! Gente, óbvio, que por uma questão ética, eu tive que acabar com aquele natal! Lembrem-se, que eu na minha doce inocência dos sete anos, ainda não praticava muito bem, a arte de mentir. Crianças não mentem, ou não enganam bem!
.
Então eu FA-LEI aos berros:
.
-Não é o Papai Noeeeeeeeeel !!!!!!!!!!!!!!
.
E, foi aquela confusão! Eu não podia deixar que continuassem com aquela mentira para todos os meus primos! Na verdade, é porque eu achava injusto demais ser a única criança desiludida naquele ambiente repleto de falsas fantasias! É, descobri que a fada do dente era a minha mãe. Ô familiazinha descarada, essa minha!
.
É claro que depois que meus primos souberam que o nosso querido e fofo Papai Noel, era nosso tio chato - Ele realmente nunca fizera falta nas festas natalinas - o trocaram! Mas aí, eu já nem ligava. Já me sentia uma pré-adolescente com oito anos, só porque eu sabia o 'segredo da família'.
Só dessa história, vocês podem ver que cresci desconfiada, né?!
.
Voltando ao assunto... Eu sempre preferi os gestos, e os presentes criados exclusivamente pra mim. Essas coisas que me traziam segurança! E nunca frases tolas do tipo: -Você é o meu xuxuzinho! Forever and ever.
.
Pára né?! Têm que ser muito tolinha, pra cair nesses contos dos Mamonas Assassinas.
Bom, e como eu também sei que nem tudo que ele dizia era mentira, então eu acreditava quando ele falava que gostava de futebol, de hamburgueres com batatas fritas, e do meu perfume! Que realmente é muito gostoso. Fato!
.
E, tudo corria muito bem até então com nossas verdades e manias!
Até o nosso último aniversário de namoro. Eu, maravilhosa pra ele, e o presente em cima do sofá, enquanto 'esperávamos' pelo nosso dito cujo. As horas passaram, e ele finalmente bateu na porta! Me entusiasmei imediatamente, e logo a abri! A barba mal feita, chinelas havaianas, e a chave do seu carro em mãos. Broxei na hora! Já sabia que ele tinha esquecido do nosso dia, mas resolvi esperar ele falar.Vai que era alguma surpresa? Um jeito de me enganar?
Mas não. Meu futuro ex-namorado, só tinha passado lá porque tava no caminho, e de repente eu podia querer dar uma volta com ele. Olhei pra ele com uma cara de caneca .E páaaa! Bati a porta com o ódio crescente que me possuía naquele instante.
.
Ele insistiu em bater na porta, e eu em não abrir! Até que ele tomou vergonha na cara, e parou. Mas aí o celular começou tocar infinitas vezes... Não atendi. Mensagens, emails, palavras e mais palavras pro mês inteiro! Parece até que não sabia dos meus traumas com as benditas palavras.
.
Só aí eu soube que ele não me conhecia, mesmo! Então, quando ele ligou pela trigésima vez, num impulso atendi e só escutei! Ele pediu desculpas, mas disse que exagerei! Eu concordei, e desliguei.
.
Sim, eu confesso que exagerei. São tantos os homens que repetem esse desatino. Só que, no meu caso foi como uma bomba-relógio! Cheguei no meu limite ali. Pra mim, está dentro daquele vestido e de salto, era como o presentear com um carro 0km, e ganhar em troca, uma toalhinha de toilette com uma letra estranha bordada, porque não tinham com a minha inicial.
.
Porque, se eu realmente pudesse, naqueles dias eu teria dado o céu a ele! E, ele, mal conseguia me dar um chão. Nossa troca de presentes, não era das melhores! Era totalmente desigual e desfavorável a mim.
E, se antes eu o considerava o meu maior presente, hoje eu sei que não passou de uma sacolinha, brinde de aniversários infantis! O conteúdo sempre acaba rápido, e logo perde a graça.
.
Ainda acho que os presentes, sempre ajudam muito no dia-a-dia! Quebra a rotina. Mas, o principal presente que vale, é saber que você que é o verdadeiro presente pra alguém! Saber, que você pode transformar o dia, trazer sorrisos, e gratidão. Esse era o meu presente, e é esse presente que quero compartilhar, quando alguém, eu for novamente presentear.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Lado a lado.


Após um longo período conhecendo a alma feminina, aliás, a alma de sua namorada, tudo acabou. Ele então, decidira não mais se envolver por um bom tempo. Precisava de paz de espírito! Algo que mulher nenhuma, a não ser sua mãe, quem sabe, poderia lhe trazer. Queria o despojamento de uma pessoa solteira, aonde só ele faria suas regras! Nada de cobranças, nada de ciúmes, nada de excesso de estrógeno ao seu alcance. Ok! A presença feminina ainda lhe servia em algo, em noites de rock'in roll e vodka! Porém, ainda gosava de sua 'solidão' novamente alcançada.

Já de um outro lado da história... Havia aquela garota que tinha alguns planos, ou sonhos, pra serem realizados! E homem nenhum fazia parte disso. Pois, ela já tinha um amor, reprimido, inalcançável, de fato, mas estava ali, bem guardado! Se interessou em outros, chorou por outros, mas sempre naquela busca de esquecer o tal amado. Seu mundo era algo inconstante, que consolava momentaneamente, de forma errada, pois sua angústia logo voltava. Festas, álcool, e homens descarados... Pela manhã, ou o arrependimento ou a ressaca destruía seu novo dia.

Pois é... os dois lados se encontraram! Ou um lado encontrou o outro, tanto faz! E, reparem como as coisas são realmente imprevisíveis, por mais previsíveis que sejam.

Meus personagens precisam de nomes, né?! Hum... Ralph e Sophia! E, ninguém reclame.

Continuando... Ralph encontrou Sophia por aí, e imaginou que poderia ser sua nova isca. Gatinha, solta por aí, era um bom ponto de partida! E, logo foi atrás disso. Sophia, não estranhou muito, por conviver com tipos parecidos, e não se interessou. Até riu quando soube quem era. Afinal, ela o considerava de longe, muito diferente do gosto dela, do que ela apreciava. E, por sua vez, continuou por aí, com seus casinhos rotineiros. Até um desses casos dela, aparecer com uma bela mancha de batom vermelho em sua gola, que não foi feito pelo seu gloss ultra-glitter rosa mate. Super inaceitável. Seus amigos a convenceram de dar uma chance ao lado que ela desconhecia, e se aventurar aceitando aquele que lhe queria. E foi dito e feito. Ela deu! A chance.

Foi atrás de Ralph como quem não queria nada, e realmente não queria. Encontros cá, encontros lá, mas ainda não era a hora dela, de se entregar! Em território inimigo, o mínimo cuidado ainda é pouco, variável. Mas diferente dela, Ralph parecia ter mudado de idéia. Demonstrava um interesse muito além de breves beijos. Parecia querer mais, muito mais! E, não estou falando de sexo. Sempre atencioso, carinhoso, paciente, engajado... Infinitas qualidades que o tornavam um ótimo pretendente, mas ainda não era o suficiente! Sophia ainda tinha seus outros planos, e com tantas demonstrações de agora ser o cara diferente, ela recuou ainda mais. Já não queria repetir erros passados, e poupá-lo de algum futuro estrago, era realmente necessário! Esperou, esperou, com os dois pés a trás. E Ralph, logo se cansou! Porque correr atrás? Interesse nenhum ela mostrava. Sempre se continha! Mas também parecia super errado, deixar O cara partir assim. Sem nem ao menos tentar de verdade. Sophia, decidida, resolveu ir atrás sem nem pensar. Viu Ralph, fingiu escutar o que ele ainda tinha pra lhe dizer, e quando viu que as palavras estavam terminadas, o beijou! Em frente a poucos, mas que parecia uma multidão de olhos voltados para os dois, aliás, a um. Um novo casal!

Pela manhã do outro dia, a ressaca não veio. E pela primeira vez, o arrependimento também não voltou a assombrar a sua semana. Dessa vez era o medo de errar com alguém tão especial! Alguém que ela ainda queria conhecer melhor, e de repente se apaixonar. Mas e se isso não acontecesse? Parecia pretensão dela, mas ela pediu a ele que tomasse cuidado e não se envolvesse tanto assim com ela. Ele, com suas infinitas características, que parecem não se manifestar em homem nenhum, pediu que ela relaxasse, ele também sabia se cuidar! Só isso já bastava pra ela se acalmar. Mas com sua boca levemente vermelha, e sua voz doce, também confessou a Sophia, que parecia estar de um outro lado em que geralmente estivera. Ele estava encantado com ela, e correr atrás disso, querer está ali do seu lado, pouco tempo após o término de seu longo namoro, parecia loucura! Mas ele queria... E a convenceu que ela realmente poderia ser alguém importante pra ele, e se tornaria o mesmo pra ela. Sophia, fechou seus olhos e deixou tudo lhe guiar, ainda com seu cuidado pra não o magoar!

Com o tempo, Sophia se apaixonou! Mas não procurou demonstrar. Parecia absurdo isso acontecer, ela ainda tinha amor pelo seu ex, não parecia ser algo possível! Ficou quieta, sem manifestações de afeto, sem beijos muito reveladores, e sem olhares de expectativas! Ela errou. Pois Ralph estava ali, sempre querendo ser o mais perfeito para com ela, e a reciprocidade não ocorria. Ambos viviam romances diferentes! Ela tinha o rapaz mais gente boa que conheceu, até então. E ele, a garota que da mesma forma que era linda, também era desanimadora.

Ela cada dia mais apaixonada, e ele, a cada dia mais perto de romper algo que nem chegou a ser construído realmente. Lados que se encontraram, agora ruíam, se repeliam devagar.

Ralph decretou o fim! Não aguentava mais aquela situação- ou Sophia- e com os mesmos motivos que ela tinha pra não começar nada com ele, ele terminou! Planos, diferenças, momento errado... Pareceu irônico, mas não. Ele demorou pra enxegar, o que Sophia já previa. Só que nas previsões dela, não era ele que romperia! E também não era ela que pediria uma nova chance. Pois, os mesmos motivos que ele teve pra querer estar com ela, ela usara pra pedir um recomeço. As diferenças não importam tanto assim, ainda tinham muito pra se descobrir, e ela agora estava em um novo lado. Onde, queria se envolver! Novamente, irônico! Mas não.

É a vida! Sempre mostrando que por mais certo que você esteja dos fatos, as coisas mudam! Os lados se invertem. E tomar cuidado com isso, não basta! Sorte que é preciso. Pois, nunca se sabe em que lado você estará até o fim.


sexta-feira, 3 de julho de 2009

ELEMENTARES .


Somos os representantes de quatro elementos. Simples, mais de uma importância infinita ao mundo. Aliás, representamos o mundo! A pureza da água, que invade cada um de nós. O calor do fogo que aquece qualquer gélido coração. A liberdade que o ar nos presenteia ao respirar. E a segurança da terra, a sensação de chão, de ter aonde pisar.E não poderia haver tema melhor a ser escolhido. Pois, agora é apenas uma brincadeira. Mas, foi nessa brincadeira, que muita criança cresceu, que muita amizade amadureceu, e a saudade apareceu. Ainda temos um semestre pela frente, só que para alguns, é quase hora de dizer adeus. Então, nos perdoem na hora que lágrimas vierem a derramar. Porque são desse presente, que passado não quer virar. O presente de boas risadas, de aniversários diários e horários, das piadas sem graça, da união que ninguém barra, e de uma série de momentos que nos cercam.Acabamos criando um laço! Também pudera. 6 horas do dia, cinco vezes na semana, por dois semestres... Laços de família minha gente! Só aqui, eu, você, e todos nós arranjamos pai, mãe e irmãos. Sim, porque temos o amigo do conselho, o amigo da farra, o amigo do consolo e do carinho. E, não falamos só dos alunos aqui presentes. Mas dos mestres que também têm esse cotidiano com a gente. Não de um dia a mais na agenda, e sim, Os dias a mais.Matemática, português, química, física, biologia, geografia, historia, espanhol, inglês, artes e educação física. Não é só isso que levaremos daqui. Sairemos daqui com os valores adquiridos para uma vida. A paciência, honestidade, justiça, ética, respeito, obediência, tolerância, solidariedade e tantos outros valores. Para que sejamos melhores, pois como já foi dito: somos o mundo. E ele quer melhorar. Somos água, ar, terra, e fogo. E, pra esse mundo que nos espera, nós somos capazes. Pois, como sabem, nós somos elementares!
-Minha homenagem pra todos eles :)

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Dia dos Namorados





Eu quero esse dia de sorrisos, abraços e apertos.
Esse dia de dengos, carinho e desvaneios!
Chamar por amor a quem me ama, me gosta, e me queira de verdade.
Não ter uma história, e sim, uma realidade.
.
.
Quero as confidências de quem se entregou,
presentear com beijos aquele que me dê valor.
Também quero me entregar,
e esquecer em meio a travesseiros,
que o mundo ainda está lá fora a me esperar pra mais um dia aventureiro!
.
.
Preciso do sossego do colo que protege.
E, daquele medo de perder o único que me merece.
Depois de tempos em solidão,
eu quero agora a companhia ideal para momentos de satisfação.
.
.
Quero as mãos dadas, quero as palavras,
quero o namorado que venha deixando marcas.
Quero as flores e os chocolates,
o ciúmes e a cumplicidade.
.
.
Eu quero isso tudo em um dia!
E, mesmo que esse dia se vá lentamente,
quero repeti-lo infinitamente.
Não desejo isso só para mim...
Mas, para todos que também desejam amar assim.
.
.
É dia dos namorados,
dos casados e apaixonados!
Que não seja somente essas 24 horas.

Que seja pra sempre,
enquanto o SEMPRE ainda esteja em MENTE.










domingo, 7 de junho de 2009

Cai, cai aqui na minha mão.


Em tempos de festa junina, é comum avistar pelos céus brasileiros, balões a voar sem rumo. Embora, eu nunca tenha visto! É perigoso, e ainda parece ter um sentido bobo. Acender em brasas alguns pedaços de papel para vê-lo subir? Qual seria a finalidade desse feito?
..
E, como eu já assumi não ter experiência alguma com esse tipo de coisa, não poderia vir e falar sobre algo que eu, particulamente, nunca me interessei, até então. Parei para refletir, e suponho que imaginei um motivo convincente para essa brincadeira perdurar tantos anos, sem parecer delinquência para aqueles que não participam da tradição junina, assim como a minha pessoa.
.
Se formos comparar, o que mais nos envolve em qualquer lugar, são os pensamentos. É a nossa necessidade de se perder com sonhos que voam alto, e que fazem reacender o que está apagado em nosso peito. E, o mesmo acontece com esses pequenos balões. Eles voam e se perdem queimando o que está por dentro. A diferença é que depois as cinzas voltam ao chão, e infelizmente, nem todos os desejos se tornam realidade, para os 'voadores' aterrizarem em terras de missão cumprida.
.
Então, assim sendo, acredito que nem sempre brincar com fogo, queime. Só traz àqueles a esperança de continuar a sonhar ALTO, e persistir no que querem. Pois um dia o balão alcança a altura almejada e cai em glória, e um dia o que era desejo imensurável sem razão, também cairá em nossas mãos.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Viva o lado REALISTA da vida!


E, como já dizia Falcão : " ... as grades do condomínio são para trazer proteção, mas também trazem a dúvida se é você que está nessa prisão.''

Pura verdade! Dita e vivida. Pois, foi a este ponto em que chegamos. E, distinguir a liberdade de está em casa com um cárcere privado está cada vez mais complicado! Estamos vivendo às sombras de cadeados e vidros blindados. Envolvidos pelo medo que a própria ignorância humana nos submeteu. Bom, hoje não temos mais dúvida do futuro que o mundo proporcionará aos nossos filhos. Temos a absoluta certeza de que só não será dos melhores, e nem o que planejamos.
.
Crianças começam a entender o que está ao seu redor, e logo as máscaras de uma utopia os cegam, com histórias do BEM x MAL, cavaleiros contra dragões, policiais contra bandidos e claro que para os pequenos brasileirinhos, também abordam : Brasil x Argentina. Os bons sempre se saindo vitoriosos e majestosos! Tudo uma mentira! Apesar que tudo seja por uma causa nobre- evitar traumas com a verdadeira realidade- não será essas histórias que confortará a infância de ninguém. Um dia crescerão, e verão que contos de fadas não existem, que policial também pode ser bandido e, que o Brasil também já perdeu para Argentina. Isso se a frustração não vier à tona em meados da infância mesmo.
.
Mil e um jeitos que inventaram para serem nossos escudos de proteção. Pois, as espadas foram tiradas dos cavaleiros, e os dragões continuam a cuspir fogo. E o único direito que nos restou, foi o de proteger-se. Somente isso! A constituição do nosso país afirma a liberdade e igualdade para todos, mas cá entre nós, os defensores dela levam muito ao pé da letra. Liberdade não pode ser para todos. Enquanto o bandido tá na rua gozando da sua liberdade, voltamos às nossas casas no final do dia para trancar por mais uma vez o cadeado delas, pra finalmente ter o mínimo de tranquilidade que um cidadão pede a Deus todos os dias.
.
Não tem muita coisa a ser feita a essa altura, não depende mais só dos cidadãos esperar um pouco de paz entre os homens. A crueldade tomou conta da humanidade, e é isso que mais desmoraliza a nossa espécie. Saber que não somos canibais e não chegamos nem perto de sermos os maiores predadores do reino animal. Mas que podemos ser piores que isso. Saber que podemos ser dissimulados, inescrupulosos, e destrutivos. Claro que nem todos são assim, e ainda tem sobrevivido nessa guerra social.
.
Meu texto não vai ajudar, sair e gritar na rua também não. Ter esperança ainda é o único jeito e possibilidade, e proteger-se, claro!
.
Quem sabe um dia, o homo-sapiens realmente evolui.
.
.
.
.
.
PS.: Não quis ser tão pessimista, mas não consegui Oo

domingo, 5 de abril de 2009

Como caça e caçador!

Foi complicado o dia que descobri que me tornei um alvo. E ser alvo raramente é legal. Ser alvo da polícia, do bandido, de inveja, alvo de um pombo... Infinitos alvos que estamos sujeitos a nos tornar. E, você ser o 'GRANDE' escolhido, nem sempre pode relacionar a sorte! Até mesmo porque, nem sempre levantamos com o pé direito.

Mas, e quando nos tornamos alvo do cupido?

Pois é... Eu me tornei mais um dele. E, podem acreditar: Foi uma grande fase pra mim. De insegurança, tortura e angústias! E sabemos que quando somos o alvo desse pequeno terrorista, não há escolhas e nem saídas! Eu bem que tentei algumas fugas, mas não funcionou como eu esperava. Acabei me tornando uma apaixonada. Sabem a parte ruim de tudo isso? Todo apaixonado tem um alvo. E no meu caso, não sabia conquistar territórios e nem corações. Foi um desastre da estupidez de um certo cupido. Definitamente não foi de bom tom ele me escolher pra ser a mal amada. Afinal, eu nunca fiz parte da grande massa que o chama de burro! E mesmo com todo esse presente de cupido, uma flechada pelas costas, ainda não faço parte dessa comunidade. Só acho que ele não é muito esperto, e confiável por sinal.

Só quero que ele aprenda que o amor não é brincadeira de 'tiro ao alvo'. É um quebra-cabeça! E sem as peças que se encaixam perfeitamente, não tem sentido e nem jogo pra terminar.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Carta aberta





Pelo menos uma vez nessa vida, nos deparamos com relações que parecem ser infinitas pela intensidade com que ocorrem! Aquele beijo mais ardente, falar ‘eu te amo’ sem pensar duas vezes, e aceitar certas atitudes incompreensíveis acreditando que aquele amor é inabalável. De fato, pode ser sim! Mas acreditem quando dizem que o que vem fácil demais, vai embora mais rápido ainda. É triste aceitar isso, pois, por mais rápido que tenha sido, por mais empolgante, acaba. Esfria e perde aquele gosto de toda hora. Torna-se um relacionamento tão comum, sem expectativas, e com sonhos interrompidos, bem complicado de entender como isso pode existir.

E, tentamos fingir que não, tentamos negar certos fatos pra recuperar novamente aquela paixão e aquela vontade de ter o outro para sempre. Por que apesar de tudo ter vingado ao gelo após tanto ardor, temos aquela sensação inaceitável que passaremos por isso somente uma vez! E, segurar uma chance assim é mais do que preciso, certo?!

Se você concordar comigo, então tenho que falar que você quer essa chance porque ainda ama. Porque queremos sim alguém para todos os dias de nossas vidas, alguém que por conveniência ou não, tem tudo haver com a gente. E, se tudo realmente tivesse acabado você me diria que não era necessário ser essa pessoa. Que você não precisava reconquistar nada, que como está é melhor.

E, tomara mesmo que você nem tenha cogitado essa idéia, pois eu desacredito mesmo em relações em situações imprevistas.

Mas, sendo você, eu quero esquecer todas essas verdades, e pensar que um dia será somente nós e ninguém mais.

É, mais uma vez você em minha vida, e eu posso está errada de novo, mas eu sinto falta! Quero sua pele na minha, ouvir sua voz antes de dormir, e dessa vez sem fazer as malas pra te deixar pra trás. Porém, não basta eu querer. É necessário ter a certeza de que eu sou a sua fantasia na hora de dormir, ter a certeza que é comigo que você quer dividir seus conflitos e vitórias, e nunca mais deixar sossegar aquilo que te faz ver o que é estar completo. Cansei de tentar com outros e lembrar como éramos no fim desses encontros. Olhar minhas fotos, e parecer que faltava você ao meu lado pra está valendo aqueles sorrisos. Quero poder te ligar novamente, só pra contar o meu dia, e ter mais que um amigo na hora de confidências. Eu preciso de você como um amante, porque preciso te amar incondicionalmente pra revelar o quanto você pode ser meu nessa altura do campeonato.

Como eu já disse, só você! Só você pra me aliviar disso, pra me levar a calmaria depois de mil marés sem tua cabeça pra encostar a esse peito que só precisa do teu retorno.

E, se não for assim, me convença que você veio como só mais um. Me prove que cada palavra dita, cada lágrima derramada e tudo vindo de você foi em vão. Preciso saber disso por você, pois eu já tentei me convencer sem a sua ajuda. E cá estou, escrevendo essa carta para quem quiser ler. Para todos aqueles que precisam de uma força na hora de voltar ao peito que também espera o retorno de alguém.

Meu amor, talvez não chegue a ler o que minha boca queria te falar, mas o que eu quero deixar aqui, é que um dia condenamos esse sentimento sem deixar fluir. Só que nem toda prisão precisa ser perpétua, e agora eu vejo que é chegada a hora dele se libertar. Então eu estarei aqui, pra hora que você voltar.

terça-feira, 17 de março de 2009

A boa e velha de sempre!


Tem quem ligue rotina com tédio. Não se acostumam com suas próprias vidas. Esperam pelo novo, pra abandonar o velho. E, com certeza é muito bom inovar! Sair do padrão, se arriscar...

Troca é a palavra ideal para quem aposta em mudanças! O redondo pelo quadrado, o marido por um namorado, o carinho pelo diálogo. Cor do cabelo, tom da pele, novos seios... Muita coisa onde mulher gosta de meter o dedo.

E, se antes todo mundo adorava causar com mudanças, imaginem agora que o ano é de transformação. Não vai faltar drag queens surgindo por aí! E nem jacas pisoteadas. É... Porque nem todos tem o bom senso do que é desnecessário modificar.

Mas, apesar desses erros que acontecem por aí, acredito piamente em inovações. Vivendo e aprendendo! Só que ainda assim, quero defender a rotina! O arroz e feijão de todos os dias, a blusa velha que ainda servia, e a quinta-feira sem saídas. Porque realmente podemos enjoar de tudo isso, jogar pra cima, e procurar o que te excita. Porém, ninguém é de ferro! Não há aventuras suficientes e encorajantes para todo o sempre!

E, que bom que é assim! Porque horrível deve ser não fazer idéia do que será no outro dia. E, sentir falta do velho dia-a-dia, das antigas pessoas, daquela mesma comida!

Porque inovar sempre vai ser uma delícia! Mas, a rotina é melhor do que se imagina.

sexta-feira, 13 de março de 2009

Por olhos mais confiantes


Você sabe guardar segredo?


É o que costumamos perguntar antes de querer confiar em alguma pessoa. Ou só pensamos isso, sei lá! O problema é que não dá pra ser totalmente individualista. Há coisas que precisamos contar, soltar, para nos libertar! E, nessas horas, não basta nenhum amigo da internet ou o espelho. É preciso ouvir palavras saindo da boca de alguém, é preciso ter algum ombro na hora do conselho, e olhos olhando nos seus pra ditar a real verdade! E, sabem o que é melhor do que poder desabafar assim ? É saber que pode fechar os olhos sem se preocupar! Saber que ali existe alguém que não irá te prejudicar com o que já foi dito ou feito! Essa é a melhor parte de confiar.


Mas aí, nem sempre aquele amável e confiável amigo te segura na queda, e sem querer ou por querer pisa na bola com você. Abrimos os olhos de repente, e vemos que tem horas que a confiança só nos atrapalha. Só te joga para o fundo no excesso dela, e você nota que desconfiar também é necessário. Saber aonde pisa, e com quem anda! Fundamental.


Regras surgem em nossas cabeças em relação a isso. Pois, apesar da desconfiança tomar a gente depois dos erros alheios - ou nossos - ainda assim queremos novamente poder voltar a fechar os olhinhos. E, nesse caso amigos, eu sou muito fácil! Tenho medo sim, mas a vontade de poder ter em mãos a sensação de bons conselhos, revelo tudo mesmo! E, digo mais: Mesmo que libertem suas façanhas por aí, em alguns casos, perdoem! É divino, e faz tão bem pra alma. Sem deixar de lado, que não somos perfeitos. Podem nos querer bem de verdade! E, erros faz parte da vida, e do aprendizado. Perdoei sim, e peço que me perdoem se cometi algum erro. Se faltei com a confiança, não foi por mal!



Mas, sem falar de mim.. Conselho de amiga: O melhor pode está tão perto, mas a desconfiança não deixa enxergá-lo. Por isso, voltem a abrir os olhos para novos conceitos serem vistos antes de novamente fechá-los.



Obs.: To tão bêbada gente ! :#
Obs².: Tema escolhido por Caio Lima ( amiguinho aí da vida )

sábado, 7 de março de 2009

Depois dos 15...


É uma delicia ser pequena, e esperar cada aniversário como se estivesse passando um século até chegar! Nesse tempo era torturante, mas hoje, eu vejo como naquela época a vida parecia ser eterna. Dos cinco anos aos 10, pareciam uns 50. Muita coisa mudava. O dente caía, cicatrizes novas de um tombo da bicicleta sem rodinhas, o nosso tamanho... As idéias então, nem é preciso comentar.

E quando tias e avós se reuniam para olhar aquela pequena crescente, era sempre de costume ouvir: ‘Depois dos 15, os anos voam... ’ De fato, nunca acreditava naquela bobagem, mas realmente, senhora sabedoria que ganhamos no passar dos anos. E olha que o termo ‘senhora’ ainda não se cabe a mim.

Mas enfim... Eu não descobri o que muda com os dias. Os 365 dias ainda são os mesmos! Compostos por 24 horas cada um. Só que mesmo não enxergando essas mudanças, eu consigo sentir uma velocidade maior nos anos que chegam após os 15. É algo inquietante! Mal você se acostuma com a nova idade, e já tá aí de novo o aniversário. Cada vez mais sem graça! Sem balões, sem velas coloridas, e sem aquele tanto de brigadeiros e presentes. Não sei vocês, mas eu ainda gosto de tudo isso! Quem é que não gosta, poxa?!

E, sinceramente? Hoje eu entendo o real motivo de dizerem ‘Aproveita tua fase’, ‘curta cada dia’... A vida não é como eu imaginava! Não é eterna. Pode ser longa, mas com o tempo correndo tão depressa, não é de ficar surpreso quando acordar e tiver 30 anos mais velho.

E se antes eu esperava o meu grande dia pra ganhar presentes e ficar mais velha... Eu ainda espero! Só que não é mais o velho dia 09/12. São grandes dias. Um após o outro! Porque eu to vivendo a minha fase, aproveitando cada idade! Pois a vida não é feita só de aniversários. E sim de dias que se tornarão o nosso passado. E no passado ninguém interfere! Pena que é depois dos 15, que se pára e reflete!

terça-feira, 3 de março de 2009

TÔ FORA!


Quando se é uma mulher, dispensar os garotos que querem você é fácil demais. "Não tô afim", "deixa pra outro dia", "opa! Tão me chamando ali!" Frases de efeito, certo?! Você não maltrata, você não questiona, somente adia! E quando não funciona, o NÃO na lata vem em boa hora. Até porque, nem sempre aguentamos vê-los em agunia.

Mas, e quando a menina leva o tal do bolo?!

Eu acredito que não há meias palavras e gestos educados que a faça se sentir melhor. E, por experiência própria eu digo: É terrível! Não queremos saber o real motivo, ou as desculpas singelas com um pedido de amizade. Não queremos mais nada do dito cujo, só entender o que tem de errado com a gente pra ser colocada de lado como um velho sapato. Sou chata? Feia? O beijo é ruim?

Mil hipóteses circulam nosso cérebro. E mesmo que eles digam a verdade sobre o não dado, o que você pensa parece fazer muito mais sentido. Aí, quando você já não suporta mais aquele atestado de 'recusado', você procura achar defeito em quem a recusou. Sim, porque até hoje dizemos diversos nãos, muitos nos querem, e sem dúvida sempre tem aquele que ainda não desistiu. Ou seja, não somos nós! São eles. 'Hum....Ou é gay, ou teve medo'. Uma das hipóteses bobas que pensamos.

Mas ainda assim, tentando descobrir o defeito neles, sabemos que no fundo, isso não conforta e nem ameniza aquela dor de cabeça. E então, depois de vários conselhos - pois um é muito pouco para acordar - você entende que não há problemas! Simplesmente só não foi o momento, ou a pessoa certa... Você entende que pode haver uma terceira pessoa na história, e que aquele 'não' pode ter sido só um freio para você não se tornar coadjuvante em meio de um casal de protagonistas. Antes um não, do que ser a vilã e vadia de uma novela querendo ser concluída.

E, parabéns! Um homem que nega uma mulher pra estar com a amada, é um verdadeiro príncipe de história encantada.

E meninas que sabem do que eu falo, não se lamentem. Pois o que é nosso está guardado! Somos boas meninas, e o nosso coração ainda será de algum apaixonado. E, o fora que um dia nos deram infelizmente, será bem dado pelos nossos, para aquelas que mesmo sem querer tentarem entrar no conto da gente.

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Beijinho ( nada ) doce!


Um beijo. Um pequeno beijo que marcou épocas, que fez pessoas perderem a cabeça, e deu significado a uma palavra bem chata: a traição. Verdade, eu to falando sim do beijo de Judas! E, se Jesus Cristo passou por isso, que dirá nós, simples pessoas do século XXI.

Não sei se acredito que de lá pra cá, alguém tenha tido a graça de nunca passar por isso. Meio difícil, né?!

Quem já sofreu uma traição, sabe a dor que se sente. Quem já traiu, sabe a culpa de quem mente! Ambos perdem. Ninguém é louvado por trair ( não pelas mulheres), e ninguém quer ter a “honra” de ser traído. Até porque, literalmente ou não, sempre perdemos a cabeça. Isso é inevitável!

Mas, pensando melhor, tem quem goste da traição sim! Alguém ganha nisso tudo. Mas não é quem engana, ou o enganado. E também não é o amante (se for o caso). Eu to falando da desconfiança. Essa safada é a única que ganha! Pois depois da traição, ela vem, e nem bate na porta. Entra sem ninguém perceber. E como um sem-terra, se instala, e não há macumba e nem tratados para tirá-la de onde ficou. Ela apodrece tudo. E em uma metamorfose, o que era igual se difere. O que era cumplicidade torna-se rivalidade! Olhares se desviam, o beijo perde o gosto, e aquele abraço perde o tato. Tudo se quebra repentinamente.

De carne somos, pó viramos! E bom... A traição é a maçã de Adão e Eva, o beijo de Judas, o cavalo de Tróia... O assunto é velho, mas ninguém se acostuma. E, nem todo mundo a recusa! Tem gente que está sempre disposto a trair! Mas em geral, somos pré-dispostos a isso.
Fechar os olhos é legal! Fugir disso é melhor ainda.

Mas, caso aconteça com você, não se martirize! O mundo foi feito de escolhas, você fez a sua! E de resto, bom... Vamos sobreviver a isso!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Financeiramente falando !


Todas às vezes que vejo um passarinho voando, acho lindo! Não por ele saber voar, mas pela liberdade que ele possui. O poder de ir e vir que tem em mãos (nas asas na verdade). É tudo que alguém pode querer nessa vida! Mas, como humanos, se quiser voar, não serão asas ou avião que fará com que isso aconteça. Precisamos primeiramente de maioridade, e um bom cofre, certo?! Porque sem dinheiro e com liberdade, só querendo ser mendigo. Mas isso é outra história...

O que eu quero dizer, é que muitas vezes desejamos sair sem rumo a nenhum custo por aí, atrás da liberdade. Mas isso é perca de tempo! Pois devemos sair com um rumo. Aquele que nos guia para achar o que nos liberta. E normalmente, não é nenhuma chave para abrir algum portal. São notas, e pequenos metais. Dinheiro seria o nome do nosso portal tão desejado. E não precisa ser muito, basta ser seu! Dessa forma, muitas bocas se fecham, e grandes asas se abrem!

A cabeça se torna nossa bússola, os bolsos da calça um bom vento para novos voos, e o céu?
O nosso limite.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Rabiscos, desenhos e enigmas...




São as letras tão importantes para a vida.
Quando pequenos, parece impossível aprender.
Mas depois, só queremos desenvolver!
Simplesmente porque ler e escrever não é um dom.
Qualquer um pode, qualquer um consegue, qualquer um deve!
Assim como o ar é fundamental!
E se ainda existe analfabetismo no Brasil, é por insolência banal.
Porque existe os poderosos que não se preocupam,
e do assunto desfazem.
Esquecem que caixão não tem gaveta e, dessa passagem,
a APRENDIZAGEM é a única passagem que vale.
.
.
.
-trabalhinho de geografia sobre : A importância da leitura ;)
Rayanne ajudou *.*
.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Será ?!



Era uma vez, um menininho que conheceu uma nova amiguinha. Ela era bonitinha, meiga, gostava das mesmas brincadeiras - ah... Como ela era perfeita! – Ao ver que eram tão parecidos e ambos andavam no mesmo ritmo, ele chegou e falou para ela: ‘Eu amo você. ’
Ela, por sua vez, retribuiu dizendo logo que sentia o mesmo.
A menina, então, para sua casa foi. Confusa com o ocorrido, e, pensando consigo ‘ É isso que eu realmente sinto? Amor?’

Eis a questão meus senhores. Como você define o amor?

O dicionário, grande conselheiro quando lhes faltam o significado de novas palavras, apresentou o amor àquela criança assim:
‘Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem. Sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro, ou a uma coisa. Inclinação sexual forte por outra pessoa. Afeição, amizade, simpatia. ’

-Olá, o prazer é todo meu em lhe conhecer Amor.

Essa palavra tão curta, tão doce, e tão difícil de compreender!
Seria realmente maravilhoso conhecer tal sentimento através de um dicionário. Mas é preciso muito mais do que palavras para desvendá-lo. Talvez seja essa falta de ‘romansabedoria’, que torne a palavra em si, tão vulgar.

-Bom dia, eu te amo!
-Bom dia, caro desconhecido. Eu também te amo!


É simples assim falar o bom e velho ‘eu te amo. ’

Mas por favor, não pensem que quero confundir sua opinião a respeito.
E, novamente, por favor! Não achem que sou uma mal amada, querendo manipular o nosso querido e nobre sentimento. Longe de mim! É ao contrário. Feliz aquele que conhece o verdadeiro amor, seja por quem for!

Eu não posso definir o amor... Fato!
Mas não deve ser tão difícil distingui-lo quando o encontrarmos.
O que eu quero meus amigos, é que não confundam uma troca de interesses, ou uma simpatia a mais com o amor! Que seja especial e profundo dizer que ama algo ou alguém. Mesmo que seja num ‘bom dia’ ou ao lado de um ‘muito obrigado’. Mas que seja com amor, por amor! Sem ser retribuição ou recompensa. Falso amor, a gente dispensa!

Como a menina da história, eu já soltei o verbo sem saber se era real. Soltei por querer amar! Por querer encontrar o amor! E quando o encontrasse, ficaria inerte a ele – Mas parei! Eu não sei aonde se esconde. Por isso, hoje, eu espero que o amor que me encontre.






- Vem que vem, amor




.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Feito quatro estações.


E tudo muda...
Sei lá se você fez tudo mudar, ou se eu me permiti amar pra preencher antigas falhas. As que eu causei e as que foram causadas. Um coração novo que estava estruturado como uma calçada: Sujo, pisado, e pior que tudo isso: Desvalorizado.

Mas aí na hora errada e no lugar errado você apareceu e, sem querer me trouxe a paz por uns dias. Sim, apenas dias. Que claro que foram maravilhosos a ponto de fazer a pedra virar tijolos e, reconstruir o que estava em pedaços. O rancor virar amor. E os dias que se passaram tão rápido, virar passado.

Mas nunca foi amor de carnaval e tão pouco de verão. Foi muito mais que isso, me parecia tão infinito, que nem a distância e nem o ano que se passou, me fez deixar de te querer. Tive novos amores, pobres coitados, foram vítimas de um coração já apaixonado!

E tudo muda...
Aquele amor tão bonito virou o amor bandido. Tão egoísta que não se importou com os corações que partiu somente para ter aquele que primeiro te sorriu. Juro que foi sem querer, não era pra maltratar ninguém, eu só acreditei que nós tínhamos que ser felizes de vez. Porque não deveria ter fim, você era meu grande amor, simples assim. É justo não?

Até que o grande dia chegou. E em meio a tanta dor, sacrifícios eu fiz pra ficar com você, meu amor. E como você me compensou? Não deu o menor valor. Eu entendo que poderia ser o tempo, mas eu lamento, tava ali de corpo e alma e você nem estava atento. Se fosse só essa vez... Mas não, tudo se repetia, ou era um amor falso ou estava acabado! Eu entendo que poderia ser os estudos, mas eu estava ali de mão beijada, e você nem ligava. E agora? Tudo se complicava. Não acreditava mais no seu suposto amor. Se era tudo verdade, por que que mudou?

E ai tudo muda...
Aquele meu amor se tornou desconfiança e dúvidas, e isso sem querer machuca. Porque depois de tudo isso, eu via que talvez eu tenha te criado, você não era aquilo que eu realmente tinha pensado. E o amor não tem que doer, pode até te fazer chorar, mas que seja por saudade, por felicidade... E, hoje não espero mais que seja o príncipe que encantaria todos os meus dias, sei que tudo passa e nada fica.
...

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Menina má

Ela de repente, em um impulso, saiu de casa e nunca mais voltou. O nome dela: Gabriela. Consumiu cocaína e se prostituiu à beira de uma avenida. Hoje em dia, seu nome ainda é Gabriela: Gabriela Cravo e Canela!

Seus olhos, negros e frios, entram em exorbitante contraste com os lábios manchados de batom, cor vinho. Quem a vê sabe que é má e suja. Quem a conhece descobre uma mágoa profunda. Uma dor, demasiada! E uma juventude, inacabada.

Gabriela não fugiu de casa por maldade ou rebeldia. Não se prostituiu por ser uma promíscua. Ela foi vítima. O culpado: A vida!

Espancada sem dó, por um padrasto enfurecido, não via saída. Ou a rua, ou sua vida perdida.

Não é falta de caráter. Às vezes, a vida nos atropela, e salvem-se quem puder! Pois, a maldade está em quem a vê, e não em quem a sofre. E nesta sociedade hipócrita, não é o caráter que nos faz e nos mantém. São as atitudes, e o histórico de vida que cada um tem.







Observação: A história é fictícia, mas não deixa de existir casos parecidos ou iguais ao da minha Gabriela. Prostituição infantil é crime! Denuncie!!!!!!!


.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

DÁ BEIJINHO, QUE SARA!



Uma vez ou outra, nos distraímos e perdemos o equilíbrio. Em reação a isso: caímos. Por sorte ou precaução, às vezes nos protegemos! Capacetes, joelheiras... O que estiver ao nosso alcance para não sentirmos dor. E, mesmo com toda essa ‘parafernália’, é inevitável não sentir a pancada, o susto de perder a linha! Amortecemos a queda, escapamos de um ferimento, mas com o susto do primeiro erro, vem o medo. E de mãos dadas a ele, vem a cautela. Bons parceiros pra evitar outra queda! Afinal, quem quer se machucar?!


Nós sabemos que dói, fere... E, nem sempre há ‘mertiolate’ ou ‘band-aid’ que dê jeito. Anestesia?! Ameniza, mas não cura. A dor volta sem pestanejos. Não pede licença. E nem liga se você não a aguenta!

O coração é o mais propício a essas feridas. E não. Não existe um escudo ou espadas para protegê-lo. E nem vacinas para imunizá-lo! Ele distrai, desequilibra, e logo dispara. E, depois disso, é fechar os olhos e aguardar Santo Antônio ajudar. Pois tem sim uma forma de não se ferir. Mas não depende de você, e sim do coração que fez o seu depressa bater! Se ele cuidar, não irá sofrer. Sentirá prazer, e alegria em viver!

Agora, se isso não acontecer, infelizmente vai doer! Vai rasgar, sangrar, e parece que nada vai fazer parar.

Mas dizem que o tempo é o melhor remédio! Não sei dizer se essa receita faz o coração se acostumar, ou se livrar da maldita dor. Só sei que vai passar! A ferida ainda vai tá ali, aberta. Vai esperar por um coração de ‘respeito’ para cicatrizar aquela marca do tombo de um desprezo. Vai voltar a sorrir, e a seguir. Pra quê ter medo?!
Não seja inseguro. Pois agora, você tem todo o tempo do mundo.





.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Por amor


Eu já chorei por amor.
Já chorei por você.
Por achar que te amava demais, e não querer mais te ver.

Eu já chorei por amor.
Chorei ao te reencontrar.
E vê que não superei, e você já não sabia mais me amar.

Eu já chorei por amor.
Por te ver me ignorar.
Arranjar outra, e se apaixonar.

E já sorri por amor.
Por te ver se separar!
Achei que voltaria, e que comigo sempre ia ficar.

Eu já sorri por amor.
Sua amizade reconquistei, ainda não te tinha, mas eu superei.

E quem pensou que por aí o pranto se interrompia, se enganou.
Por mais uma vez, esse amor me decepcionou.

A amizade estava linda.
Mas a lembrança sempre vinha.
O coração se iludia ao achar que agora tudo mudaria.

Um novo beijo aconteceu, e ao céu eu fui parar.
Mas com um balde de água fria, o inferno veio me castigar.
Então eu chorei! Chorei por me desprezar.
Dizer que não me amava, e do seu pé eu tinha que largar.

Chorei, chorei muito.
Chorei pela saudade, chorei pela vontade, chorei até cansar.

Hoje eu ainda choro.
Hoje eu ainda sofro pelo o que deixei passar.
O carinho ainda é grande, mas nunca ia dá.

Hoje eu ainda choro, por me aliviar!
Eu ainda choro, por não mais te amar!

sábado, 24 de janeiro de 2009

- Para o alto, e avante!




Assistindo ao filme ‘ Em boa companhia ’, eu ouvi um dos personagens dizendo que quando chegamos ao ápice do sucesso, a tendência é só cair a partir disso – Não deixa de fazer sentido! Isto é, o que devemos esperar depois que chegarmos ao topo? Esperar a queda? Não mesmo!

Desde que nos entendemos por gente, aprendemos a ter metas - Até mesmo se sua meta for conhecer uma princesa de contos, ser o homem-aranha, enfim.. Convivemos com isso todos os dias, com grandes fantasias. Isso que faz a vida valer. Afinal, ninguém veio a esse mundinho à toa.

Lembro-me ainda, que quando eu tinha entre cinco e seis anos, eu falava que meu grande sonho era aprender a ler e escrever – sempre gostei disso – e ter um computador.
É... Realmente não era algo de muito grande, mas atingi.

E sonhar nunca me fez mal. Na verdade, são esses sonhos e metas que me dão coragem e pernas pra seguir o meu caminho, fazendo a trilha que a vida me impor. Pra qualquer direção, mas sempre em rumo ao alto!

Porque é do alto que a vista é melhor, e mais ampla! E é lá que eu quero chegar, e finalmente, conseguir respirar. Mesmo que digam que de lá de cima a queda é maior.
Não terei medo. Se por acaso eu cair, a estratégia é: levantar e voltar a subir!

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Eu peco, tu pecas...



Inferno. Dizem que é lá, o nosso destino quando caímos na tentação do pecado. E, bom... Se alguém acha que pode estar livre de um deles durante a vida, quero logo avisar pra aquele que gosta de calor, que ‘tamoéjunto’ lá em baixo, viu?!
São sete pecados capitais. E isso parece pouco e até suportável, até conhecê-los.
São eles os nossos traidores: Avareza, gula, inveja, ira, luxúria, preguiça e soberba.
Não sou muito de confessar nada, mas é preciso neste caso. Eu acredito que nós mulheres, somos as melhores na hora de pecar. È muito glamour envolvido nesse momento.
E, atire o primeiro salto sujo de lama em meu vestido branco, aquela que nunca se rendeu a algum pecadinho com o maior prazer. Seja na hora de abusar na pizza, quando desejamos derrubar aquela vadia, ou pior: Se jogar no sofá de pijama e passar horas à fio ali, sem ao menos ter forças pra tirar o ‘traseiro’ dali - ah, é disso que eu gosto!
E quero confessar de novo: Nem sempre eu me arrependo de estar fazendo o meu caminho ao calorzinho do inferno. Eu, particularmente, adoro calor! Sol, sauna...
-Deus que me perdoe viu?! Acho que é pecado dizer que gosta de pecar.
Mas gente... Se não fizer mal a ninguém, no stress! O bom mesmo é ser feliz! Seja na castidade, ou no pecado. Sem querer, ou planejado.



Para o "TUDO DE BLOG" da Capricho.


Tema: Qual é o seu pecado favorito ?


segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Erros de ortogra-vida



Eu sei que nada posso falar. Não tínhamos nada, minha culpa, não posso negar.
Fala mais alto, como uma força, sinto como uma traição.
Eu sei que não é, a vida é sua, mas pra mim me resta só a decepção.

Depois do que falava, mesmo longe, acreditei que o amor nos mantia. Apesar dos seus erros, de todos os seus erros, você ainda era uma certa fantasia.
Já não é a primeira vez que me surpreendo com suas atitudes. Na minha frente um romântico nato, e por trás um mulherengo desenfreado.
Você jamais me entenderia, não me conhece como deveria. E nem pode culpar meu sexo, eu sou mulher, e não um indecifrável objeto.
Definitivamente foi tolice minha, acreditar que seu coração por mim batia.
No meio de fotos, músicas e belas palavras, eu tenho saudade! Não de um passado bonito, e sim de um futuro que poderia ter sido infinito.
Eu sei que versos de uma apaixonada podem ser bem piegas. E me desculpa ser tão sincera, sua máscara caiu, já era!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

E eu, sou o Bozo!


É horrível acordar em um dia qualquer, assim como nos outros, e perceber que tudo que você vivenciou foi apenas um erro de curso, um engano. Você se sente tão impotente no meio de tanta ironia, de tanta mentira, que é difícil saber se foi você ou aquela ex-companhia.


Eu sei que em meio ao caminho torto, linhas certas podem ser escritas, mas, nesse caso, o que saiu torto foi a toda a história vivida. Um ‘belo’ de um garrancho por assim dizer.
Por que agora que despertei, e consigo ver de fora tudo o que passou, eu vejo uma grande idiotice, que acaba me trazendo horror.


Aquele frio no estômago que não passa, vontade de ligar pra ver o que houve de errado, ou simplesmente deixar ir, como águas que continuam só a seguir —Seria ótimo ser um bom pedaço de água— arrastando tudo de ruim, e às vezes até o que ainda era bom. É... assim com certeza seria fácil te deixar partir.


De repente, pra mim também não tenha sido tudo aquilo, mas depois de tudo que fiz, de tanta coisa pra fazer alguém feliz, é como estampar na própria testa o tamanho da ignorância, em querer agradar alguém que te quis com uma enorme distância. Achando que me fazia de boba, que eu era a apaixonada e criança.


Pois bem, um dia essa criança vai crescer aos seus olhos, e você vai querer o que já teve no passado, um lindo amor com aquela mulher que uma vez teve o coração se passando por otário. E talvez você a consiga, mas não se contente. Ela vai te querer como um simples presente. E você? Acostume-se, não fará novamente aquele coração de otário, pois a história desse circo todo mudou, e você interpretará aquele sem graça palhaço.

.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Sweet Desire.




Adoçar seus lábios; adoçar a sua vida... Era isso o que eu mais queria! Te tocar sem medo, sem esconder desejo, minha maior fantasia :D Fazer parte da sua alegria, do seu dia-a-dia, tornar a MINHA, a SUA vida. Desprezar os defeitos, ser o seu eixo, te fazer feliz do meu jeito! Te deixar sentir, te fazer sorrir, ser sua de janeiro a janeiro. Sem te sufocar ou enganar, te ensinar o verdadeiro dom de amar
.
.
.
.
.
.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Depende de como a vê.



O que pode determinar a nossa felicidade? Bons relacionamentos? Dinheiro? Saúde?
São vários itens a mais que podem definir em palavras o contexto de felicidade para algumas pessoas. E, nem todos sempre possuem a sorte de terem se quer algum desses itens. E aí? Será que são felizes ainda assim?
É... Olhando assim, a vida nos parece bem injusta. Já que existem as pessoas privilegiadas no planeta com tudo isso, e outras apenas com a vida lhe restando.

Mas o que pode nos mostrar tanta injustiça, assim, olhando rapidamente, pode nos causar espanto após olharmos novamente.
Nós vemos mais pobres ou ricos se suicidando? Nós vemos mais doentes ou jovens saudáveis no rumo contrário à saúde?

Pois é. Por mais incrível que pareça, esse mundo acaba se mostrando habitado por ‘loucos’.

Você pode estar diante de uma favela com tiroteios diários, tráfico e mais tráfico, falta de infra-estrutura para os moradores, uma situação caótica realmente. Mas então você olha novamente, e vê ao fundo de tudo isso, aquele ‘pobre’ menino em cima de sua laje feliz da vida em soltar pipa - Pobre de nós na verdade, que talvez nunca sorrimos com tanta espontaneidade como aquele menino!

Ou aquele senhor de idade em um asilo, que apesar de um ano a menos em sua vida, está feliz assim mesmo em estar apenas vivendo. Presenciando com paciência o tempo que lhe passa à frente de seus olhos. Diferente de muitos jovens, que esquecem que muito tempo ainda podem ter para mudarem seus defeitos, mudarem suas diferenças com as pessoas adversas à sua opinião --que ainda está em formação afinal-- E, que mesmo assim preferem afogar suas ‘mágoas’ em drogas e bebidas, esperando que o tempo voe. Dessa forma voa mesmo, voa para logo conhecerem um palmo de chão profundamente!

Então, o que eu posso lhes dizer, é que a felicidade não é algo que podemos comparar, como pessoas que às vezes insistem em nos comparar. A felicidade é muito mais que isso, é incompreensível, estado de espírito que nem todos a merecem ou a conseguem. Eu acredito que é preciso querer menos em nossas vidas, ou exigir-mos menos de nossas próprias pessoas, para assim quem sabe, alcançar-mos mais cedo tal dom que ignora os itens que pensamos ser algo para consegui-la.
E é isso .
Um beijo pra quem passar aqui :*







sábado, 10 de janeiro de 2009

Entre sapos.


Nós mulheres, sempre achamos que um dia vamos nos apaixonar por um homem perfeito, que faça todos os nossos gostos, que esteja perto, seja bonito e que acima de tudo, nos ame muito. Esse cara às vezes aparece, mas se você não gostar dele da mesma forma, desista! Porque ele já não é perfeito para você, apesar das qualidades.

Até que um dia você se pega pensando naquele rapaz que você já quis tacar uma pedra de tanta raiva, aquele que fazia questão de te provocar, e que parecia ser o errado pra ti por algum motivo. Mas era esse mesmo rapaz que fazia o tempo passar mais rápido, que fazia dos seus dias os mais engraçados com o que falava. Que para algumas pessoas era idiotice, mas para você fazia o maior sentido do mundo aquela frase em qualquer ordem!

Então você acorda, e nota que aquele sapo era seu verdadeiro príncipe, apesar de todos os seus defeitos. E você só descobre isso, porque apesar da distância de corpos dos dois, você se sente ligada a ele de alguma forma. E também, somente ele tem o dom de fazer você rir e chorar ao mesmo tempo depois de anos, porque é nele que você pensa escutando uma música qualquer, e porque você sente falta de cada sorriso que ele dava só para você, de cada palavra que vocês conversavam e de cada minuto em silêncio que passaram juntos!


Pois o amor é sempre assim, inesperado! E não adianta indagar, basta se deixar sentir, pois essa será a única forma que você se sentirá feliz. Com ou sem ele, mas amando até o fim dos seus dias ou até o fim desse amor.


♥~